ÁREA DO ASSOCIADO

03/09/2019

Semana do Brasil quer movimentar as vendas de diferentes setores da economia



Ação estimula o consumo entre os dias 6 e 15 de setembro, com descontos atrativos e preços promocionais; veja como participar

Por Monique Souza - jornalista na Gera Conteúdo- Comunicação e Imagem - geraconteudocom@gmail.com

Vem chegando a estação mais florida do ano, época em que marca o início da primavera. Mas como nem tudo são flores, o mês de setembro é considerado pelo varejo como um mês fraco para alguns setores da economia.

Pensando em resolver isso e aquecer as vendas nesse período, além de movimentar o comércio e estimular o turismo interno, o governo brasileiro decidiu lançar uma nova data do calendário comercial, a campanha “Semana do Brasil”, um movimento integrado entre o poder público e a iniciativa privada.

A ação deverá começar no dia 6, um dia antes do feriado da Independência, e se estender até o dia 15 de setembro, visando oferecer promoções especiais, descontos exclusivos, produtos e serviços temáticos, ambientação de espaços físicos e virtuais e muito mais, ao estilo da campanha Black Friday.

Quem aderir a ação, precisa se planejar e estar atento as próximas datas comerciais como, a Black Friday em novembro e o Natal em dezembro.

Empresas e empresários das áreas do comércio, serviço e turismo podem participar. Para isso, é necessário preencher o cadastro no site www.brasil.gov.br/semanadobrasil/ e fazer o download do selo para ter acesso ao manual de identidade visual e aos materiais de divulgação.

A expectativa é mudar os resultados para o faturamento do comércio. De acordo com levantamento da Federação de Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), o mês de setembro é considerado o quinto pior entre os meses do segundo semestre. A pesquisa aponta que, na média dos últimos cinco anos, o faturamento dos seis últimos meses foi de R$ 348 bilhões. A média de vendas em setembro para esse período é de R$ 54,5 bilhões, ou seja, 15,7%, o penúltimo mês no ranking de faturamento para a segunda parte do ano.

De acordo com o governo, mais de 300 empresas já se cadastraram no site e o Sebrae/SP deverá realizar ações voltadas para micro e pequenas empresas.


voltar